Cirurgia bucomaxilofacial: o encontro da odontologia e da medicina pela saúde

Você tem dores de cabeça? Durante a mastigação, sente dores próximo ao ouvido e no ouvido?  Quando mastiga, abre a boca ou boceja, sente estalos próximo do ouvido?  Tem sensação de areia ao movimentar o maxilar inferior? Estes sintomas são característicos de uma disfunção da ATM (articulação temporomandibular), sistema responsável por ligar o maxilar ao crânio e permitir a movimentação da mandíbula para frente, para trás e aos lados. Qualquer problema que envolva esse conjunto complexo, formado por músculos, ligamentos, discos e ossos, é chamado de DTM, ou disfunção temporomandibular.

Por causar muita dor e incômodo, a DTM leva muita gente ao consultório do dentista, que acaba indicando um especialista em Bucomaxilofacial. Esse profissional, formado em Odontologia com especialização em doenças da cavidade bucal, face e pescoço que exigem uma intervenção cirúrgica, trata de traumatismos e deformidades faciais (congênitos ou adquiridos), traumas e deformidades dos maxilares e da mandíbula, tumores da boca e distúrbios da articulação temporomandibular (também conhecida por D-ATM) entre outras anomalias, principalmente da boca e maxilar.

É uma especialidade que atua muito de perto com a Medicina, tanto em pacientes adultos como infantis. Entre as crianças, o cirurgião Bucomaxilofacial atende desde casos de malformação congênita até os decorrentes de tumores e traumas.

No grupo das malformações congênitas, as mais comuns são o lábio leporino, caracterizado pela separação do lábio superior, normalmente logo abaixo do nariz; e a fenda palatina, uma abertura na parte superior do palato, ou céu da boca, que causa uma abertura incomum para dentro do nariz.

Os tumores dos maxilares são mais frequentes e, em sua maioria, benignos. Já os casos de traumas na região Bucomaxilofacial decorrem de acidentes, sendo osde automóvel e os domésticos os mais comuns. As quedas – de escadas, de bicicleta ou skate, entre outras – podem prejudicar seriamente a região maxilar, atingindo a boca, a maxila e/ou a face, necessitando da intervenção de uma equipe multidisciplinar, formada por um cirurgião Bucomaxilofacial, em interação com cirurgião plástico,  fisioterapeuta e fonoaudiólogo, para assegurar não só a funcionalidade da região (fala, articulação, deglutição, etc), mas também a estética, para a maior qualidade de vida dos pacientes.

As cirurgias bucomaxilofaciais mais comuns

As cirurgias bucomaxilofaciais podem ser feitas, na maior parte dos casos, em ambulatório, com anestesia apenas local e, muitas vezes, sem necessidade de internação. Esta modalidade é bastante usada para a remoção de dente incluso, pequenos tumores benignos, cistos, lesão periapical (reação inflamatória causada por necrose pulpar (localizada na polpa do dente)com ou sem contaminação bacteriana no canal radicular (popularmente chamado deraiz do dente), implante dentário e cirurgia para adaptação protética.

Já as cirurgias de grande porte exigem o uso de anestesia geral e internação hospitalar. Elas são utilizadas para a remoção de grandes tumores, fraturas faciais e cirurgias ortognáticas, empacientes com alterações no desenvolvimento ósseo facial, como o prognatismo (aumento da mandíbula) ou micrognatismo (subdesenvolvimento mandibular), entre outros.

 Agora que você já sabe o que faz um especialista Bucomaxilofacial, aproveite para agendar uma consulta e tirar todas as dúvidas a respeito da sua saúde ou da saúde da sua família, nesta especialidade. Mande um e-mail para [email protected] ou telefone para 2261-6611 – Ramal 1085, com Camila.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *