fbpx

Neurocirurgia: uma aliada da saúde geral

neurologia

O cérebro humano é a estrutura mais complexa do nosso organismo. Ele é responsável pelo controle do corpo, tanto automático, quanto voluntário. Dele vem a nossa capacidade de percepção, consciência, memória, linguagem e inteligência. Assim, nada mais natural do que ficar apreensivo diante da perspectiva de se submeter a uma cirurgia no cérebro. Porém, assim como as demais cirurgias, a neurocirurgia é uma especialidade segura, com aplicações em várias áreas do organismo.

O neurocirurgião possui uma formação ampla: são cinco anos de Residência Médica na especialidade, após a conclusão do curso de Medicina. Cabe a este especialista tratar as doenças que acometem o sistema nervoso central (formado pelo encéfalo e medula espinhal) periférico (composto de nervos cerebrais, espinhais, motores e sensitivos). Com tanta função correlata, a atuação da neurocirurgia perpassa várias especialidades. Muitas vezes, a indicação para uma neurocirurgia vem do ortopedista, do oncologista, do reumatologista, entre outros.

A função do neurocirurgião é corrigir a causa da doença ou minimizar sintomas, procedendo desde a remoção de um aneurisma ou tumor, controle e redução de edema ou hemorragia cerebral resultante de traumatismo craniano ou espinhal e ainda atuar em casos específicos de hidrocefalia, Doença de Parkinson, dor crônica e até mesmo epilepsia de difícil controle medicamentoso.

Subespecialidades

São várias as subespecialidades atendidas pelo neurocirurgião. De modo geral, porém, cabe a este especialista atuar nas seguintes áreas e doenças:  

  • Neurocirurgia geral: hidrocefalia, tumor crânio-encefálico, infecções (encefalite, meningite etc)
  • Cirurgia de coluna: doença degenerativa (artrose, hérnia de disco etc) e congênita (desvios, escoliose etc)
  • Neurovascular: aneurisma, AVC, malformações
  • Neuro-oncologia: câncer, tumores
  • Neurocirurgia pediátrica: hidrocefalia, mielomeningocele, epilepsia, cistos, malformações, etc
  • Neurocirurgia funcional: epilepsia, dor crônica, depressão, demência
  • Nervos periféricos: traumatismo, plexopatia braquial, cervical, lombar e sacral, síndrome do desfiladeiro torácico, etc

O risco de bater a cabeça

Esse tipo de trauma pode ser resultado de uma queda ou um simples acidente doméstico, como bater a cabeça em uma prateleira ao se levantar, não importa: bater a cabeça sempre requer atenção. Mas, se a queda for da própria altura e se a pancada não for tão intensa, não é preciso se assustar.

Se a pessoa se sente bem, não teve desmaio, alteração visual, náusea e vômito, é preciso apenas ficar atento nas horas seguintes ao acidente. É recomendável também evitar dirigir, ficar sozinho ou fazer esforço físico, neste período.

Porém, se a pessoa se queixar de dor intensa e apresentar sintomas como náusea, vômito e dificuldade para falar ou compreender as pessoas em volta, é preciso buscar o pronto atendimento imediatamente.

O Hospital Presidente possui uma equipe altamente especializada em Neurologia e Neurocirurgia da região. Para marcar uma consulta, basta entrar em contato com a Central de Agendamento de Consultas e Exames, pessoalmente ou pelo telefone (11)

2261-6611, ramal 1085. O agendamento também pode ser feito pelo e-mail:

[email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *