fbpx

Junho Vermelho incentiva a doação de sangue

doação de sangue

No Brasil, só 16 em cada 1 mil pessoas são doadoras.

Neste texto, você vai descobrir porque junho foi escolhido como o mês de incentivo à doação de sangue e como se tornar um doador.

 Não há vida sem sangue. As células sanguíneas flutuam no plasma e percorrem todo o organismo, transportando oxigênio, nutrientes e hormônios. Nessa viagem, o sangue retira dos tecidos as sobras das atividades celulares, evitando que se acumulem no corpo, tornando-se tóxicas.

 

Junho Vermelho

A Organização Mundial de Saúde celebra o Dia Mundial do Doador de Sangue em 14 de junho. É uma homenagem ao médico e biólogo austríaco Karl Landsteiner, responsável pela classificação dos grupos sanguíneos, chamado Sistema A B O, e pela descoberta do fator RH.

Já o Movimento Eu Dou Sangue elegeu o mês de junho por ser o início do inverno. Na estação mais fria do ano é comum ocorrer um aumento das doenças respiratórias. Além disso, o período coincide com as férias escolares de meio de ano. O Movimento Eu Dou Sangue estima que esses dois fatores reduzam em até 30% as doações. Férias também significam aumento de acidentes nas estradas e a necessidade de mais transfusões, por isso, o mês é indicado para os objetivos da campanha, que é sensibilizar as pessoas a doar.

 

Sangue tipo A, B, AB ou O

O sangue humano possui diferentes proteínas na superfície da membrana que envolve os glóbulos vermelhos. Essas proteínas são os antígenos A e B. O sangue sem a presença dessas proteínas é classificado como tipo O, doador universal. Mais raro, o tipo de sangue AB é considerado o receptor universal, embora só possa doar para pessoas do tipo AB.

A análise sanguínea precisa considerar ainda a presença do antígeno D, que está relacionado ao fator RH, que pode ser positivo ou negativo, de acordo com a presença ou não do antígeno D.

Se você não sabe qual é o seu tipo de sangue ou fator RH é só conversar com o seu médico. Ele solicitará o exame para identificação, que é realizado em laboratório, a partir de uma pequena amostra.

 

Como doar

A Organização Mundial da Saúde estima que apenas 16 em cada grupo de 1 mil pessoas façam doações regulares de sangue. O ideal seriam 50.

O Brasil segue normas nacionais e internacionais para estabelecer quem pode ser doador. A Fundação Pró-Sangue apresenta a relação completa de requisitos no site da instituição, bem como traz a lista de hemocentros em São Paulo onde é possível agendar a doação.

O processo é simples e não é necessário nenhum preparo especial. É recomendável apenas evitar alimentos gordurosos pelo menos 4 horas antes da doação e bebidas alcoólicas por, no mínimo, 12 horas anteriores. Após a doação é preciso beber bastante água, evitar atividade física e bebidas alcoólicas, não dirigir veículos e máquinas e fazer um lanche leve.

Confira se você pode ser um doador.

  • Idade entre 16 e 69 anos.
  • Peso mínimo de 50 kg.
  • Estar descansado e bem alimentado.
  • Respeitar intervalos de doação – três meses para os homens, quatro meses para mulheres.
  • Não ser usuário de drogas ilícitas injetáveis.
  • Não ser paciente de doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue como hepatite B e C, HIV e doença de Chagas.

Outras situações em que é preciso esperar para doar sangue incluem gripes e resfriados, gravidez e amamentação. É necessário aguardar também seis meses após exames endoscópicos e um ano após tatuagens.

Leia também:

Abril Azul: um mês para a conscientização do autismo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *