Covid-19: pacientes de grupos de risco precisam redobrar os cuidados com a saúde durante a pandemia

grupo-de-risco

Diabetes, hipertensão, câncer, doenças do coração, renais e respiratórias aumentam a chance de complicações na contaminação pelo novo coronavírus. Os idosos também estão no grupo de pessoas com risco elevado para a doença.

 

A SARS-Cov-2, classificada como covid-19, é uma doença altamente contagiosa. Rapidamente se espalhou pelo mundo, provocando a maior e mais séria pandemia do século XXI. Porém, ela é mais perigosa para algumas pessoas. Os idosos e pessoas com doenças do coração, renais, respiratórias, câncer, obesidade, diabetes e hipertensão são as mais sensíveis. Formam os chamados grupos de risco.

A Fiocruz estima que 50 milhões de brasileiros estão em um dos grupos de risco para a covid-19. Isso não significa que essas pessoas têm maior probabilidade de ser contaminadas pelo novo coronavírus, todos têm o mesmo risco de contágio, mas essas pessoas têm maiores chances de desenvolver complicações da doença, inclusive na sua forma mais severa: a síndrome respiratória aguda grave.

 

Grupos de risco

As doenças enfraquecem o sistema imunológico, diminuindo a imunidade. Isso significa que o organismo fica mais fraco para se defender e eliminar um inimigo poderoso.

O novo coronavírus tem impacto diferente em cada grupo de risco. Veja a seguir como cada um desses grupos é afetado:

  • Doenças respiratórias: o principal sintoma da covid-19 é justamente a falta de ar. Isso porque o novo coronavírus enfraquece os pulmões, diminuindo a capacidade de respirar. Algumas condições dificultam inclusive a eliminação de secreções, provocando asfixia. O que já é comum para esse grupo de pessoas agrava-se muito com a contaminação pelo novo coronavírus;
  • Hipertensão e doenças do coração: o novo coronavírus usa o mesmo receptor que os medicamentos para doenças cardiovasculares. É assim que ele invade as células e se expande pelo organismo. Pacientes cardíacos são mais vulneráveis às infecções em geral. Com a covid-19, o risco é de essas infecções levarem à arritmia ou à parada cardíaca; 
  • Doenças renais reduzem a imunidade, especialmente em pacientes transplantados que precisam de medicamentos para impedir a rejeição. O sistema imunológico mais enfraquecido oferece menos resistência contra o vírus;
  • Câncer: o risco também está associado à imunidade mais baixa, especialmente durante a quimioterapia. De acordo com a localização do tumor, pode trazer também outros impactos;
  • Diabetes: o excesso de glicose no sangue e a tendência maior à inflamação resultam em menor imunidade. O controle de açúcar deve ser rigoroso;
  • Obesidade: o excesso de peso anda de mãos dadas com as doenças crônicas, especialmente hipertensão e diabetes. Assim, naturalmente, o risco de complicações com a covid-19 é aumentado;
  • Idosos: o sistema imunológico envelhecido tem maior dificuldade para combater infecções virais ou bacterianas. É comum também que idosos tenham outras doenças crônicas, próprias do envelhecimento, que podem agravar ainda mais o quadro.

Como se proteger

Distanciamento social, higiene das mãos e uso de máscaras são recomendações para todos. São ainda mais importantes para os pacientes dos grupos de risco. Porém, para essas pessoas tais cuidados não bastam. É preciso redobrar a atenção com a saúde e manter um rigoroso controle dessas comorbidades. Veja como os pacientes de risco podem se proteger:

  • Orientação médica: o mais importante é conversar com o médico. Ele é o profissional mais indicado para as orientações individuais que você precisa. O Hospital Presidente oferece mais de 20 especialidades médicas atendidas em regime ambulatorial. O agendamento pode ser pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone(11) 2261-6611, ramal 1085, com Ana Paula;
  • Continue a tomar os remédios: não interrompa o uso de medicamentos sob nenhuma hipótese. Somente o seu médico sabe se é hora de parar ou trocar de remédio;
  • Não adie consultas e exames: pacientes de doenças crônicas precisam de acompanhamento médico regular. Essa é a única forma de manter a doença sob controle. Informe-se sobre como consultórios, hospitais e laboratórios estão preparados para diminuir os riscos de contaminação e não adie seu tratamento. O Hospital Presidente desenvolveu um protocolo especial para consultas durante a pandemia que mantém os pacientes em segurança. Informe-se aqui;
  • Vida saudável: se você andava descuidando da dieta é hora de adotar uma alimentação equilibrada, rica em frutas, legumes e verduras;
  • Exercício: a atividade física fortalece todos os sistemas do organismo, inclusive o imunológico.

 

Leia também:

Hospital Presidente tem protocolo de atendimento especial para casos de covid-19

Fique em casa e fique bem: dicas para manter a saúde física e mental durante a quarentena

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *