fbpx

Doenças respiratórias: conheça as principais

Típicas do inverno, as doenças respiratórias acometem crianças, adultos e idosos e também são fatores de risco para a covid-19.

Assim, nada mais oportuno do que aprender um pouco mais sobre elas. Conheça as principais a seguir.

  • Rinite: doença inflamatória que atinge a mucosa do nariz. É provocada por agentes alérgicos como poeira, pelo de animais, fungos, mofo, perfume e outros cheiros fortes. Nariz entupido, coriza, coceira e espirros são os sintomas mais comuns.
  • Sinusite: a inflamação se desenvolve na região dos seios da face, ou seja, ao redor dos olhos, nariz e maçãs do rosto. É causada por agentes alérgicos e também infecciosos, como germes e bactérias. Provoca dor de cabeça, secreção e congestão nasal.
  • Faringite: a faringe é a parte final da garganta, que liga o nariz e a boca à faringe e ao esôfago. Quando bactérias ou vírus atacam a região podem provocar febre, dor de garganta e dificuldade para engolir.
  • Laringite: a laringe é o órgão que conecta a faringe e a traqueia. Se atacada por vírus, agentes alérgicos ou até excesso de esforço vocal pode se inflamar, causando a laringite. Os principais sintomas são rouquidão, tosse e dor de garganta.
  • Bronquite: os brônquios são pequenos tubos que levam o ar até os pulmões. São revestidos de pequeníssimos cílios, que têm a função de eliminar a secreção. Quando isso não acontece, os brônquios se inflamam, acumulando a secreção. O principal sintoma é a tosse.
  • Asma: a asma atinge os bronquíolos, pequenos canais que distribuem o ar que chega pelos brônquios. A doença causa o estreitamento desses canais e aumenta a produção de secreção. A falta de ar e a tosse seca são os principais sintomas.

 

Asma

Entre as doenças respiratórias, a asma é uma das mais preocupantes. Quando os bronquíolos se inflamam produzem mais secreção, dificultando a saída do ar. Isso significa que os pulmões ficam cheios de ar já na forma de gás carbônico. A pessoa se sente sufocada, sem conseguir respirar. Nos casos mais graves, a asma pode matar, por isso, é importante buscar ajuda médica rapidamente durante uma crise.

 

Principais sintomas

Os sintomas das doenças respiratórias são muito parecidos, mas, na asma, eles são mais acentuados. Fique atento para os seguintes sinais:

  • Falta de ar;
  • Tosse seca (sem secreção);
  • Chiado no peito;
  • Sensação de peso no peito, como esmagamento ou sufocamento.

 

Como se proteger

A asma é uma doença crônica. Mesmo depois de superada uma crise, ela pode voltar. Conheça os fatores de risco para se proteger:

  • Cigarro: inimigo dos pulmões, tanto para quem fuma como para os que estão ao redor do fumante, inalando a fumaça;
  • Produtos irritantes, como pólen de flores, mofo, ácaro, gases poluentes, inseticidas e até poeira;
  • Alguns alimentos, como leite e ovos;
  • Gripes e resfriados;
  • Estresse emocional;
  • Prática de exercícios extenuantes.

Diagnóstico

A asma é uma doença respiratória crônica. Isso quer dizer que precisa de controle para evitar a repetição das crises em breves intervalos de tempo. É mais comum na infância, mas adultos também podem desenvolvê-la.

O diagnóstico é primeiramente clínico. O médico irá investigar se a pessoa tem falta de ar, chiado no peito ou se já usou broncodilatador oral ou inalatório para aliviar os sintomas. Tosse persistente, principalmente no início da manhã ou à noite, também é um sinal importante. É preciso observar ainda se os sintomas começam após a exposição a mofo, cigarro, poeira, perfumes ou depois de resfriados.

O fator hereditário é muito comum. Se há familiares com asma, aumentam as chances de um diagnóstico positivo.

 

Prova de função pulmonar

A prova de função pulmonar – ou espirometria – é o exame indicado para confirmar a doença e sua gravidade. O paciente enche os pulmões com ar e assopra um aparelho, chamado espirômetro, pelo tempo determinado pelo médico.

Também conhecido como teste do sopro, esse exame auxilia no diagnóstico, evolução e acompanhamento do tratamento de asma, bronquite, enfisema, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), fibrose e outras patologias nos pulmões.

 

Como evitar as crises

A asma não tem cura, mas é possível controlar as crises, espaçando as recorrências. Veja algumas medidas simples:

  • Mantenha o ambiente limpo;
  • Evite acúmulo de sujeira ou poeira;
  • Tome sol: a vitamina D está relacionada a uma série de doenças do aparelho imunológico, como a asma;
  • Evite cheiros fortes;
  • Tome a vacina da gripe;
  • Não fume;
  • Fique bem agasalhado, principalmente nos dias frios;
  • Pratique atividades físicas regularmente;
  • Procure manter uma alimentação saudável;
  • Beba bastante líquido (água);
  • Mantenha o peso ideal.

O Pronto Atendimento do Hospital Presidente segue um protocolo especial de segurança para atender pacientes com doenças respiratórias durante a pandemia. Procure-nos! Estamos aqui por você!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *