fbpx

Otorrinolaringologia: cuidando das doenças dos ouvidos, nariz e garganta

otorrinolaringologia

Rinite, sinusite, dores de garganta e de ouvido são queixas comuns de adultos e crianças nos consultórios da especialidade.

Neste texto, você vai conhecer as estruturas complexas – e as doenças mais frequentes – dos órgãos cuidados por este profissional da saúde.

 

Muitos se referem a ela apenas como “otorrino”, mas a Otorrinolaringologia é uma especialidade múltipla, que cuida das estruturas complexas que formam os ouvidos, o nariz e a garganta. Se você se pergunta por que um mesmo médico é responsável por três órgãos, a explicação é simples: a membrana que envolve todo o nariz (rino), seios da face, laringe, faringe e até ouvido médio (oto) é muito parecida. É por isso que, quando ficamos resfriados e o nariz começa a escorrer (a chamada coriza), é comum isso abrir caminho para a dor de garganta, a sinusite e até a dor de ouvido. A inflamação se espalha muito rápido por todo esse sistema, que é responsável por cinco funções e sentidos do nosso organismo: olfato, fala, respiração, audição e equilíbrio.

 

Quando procurar o otorrinolaringologista?

As alergias e inflamações na garganta e no ouvido são as doenças mais frequentes nos consultórios do otorrinolaringologista, especialmente em uma cidade como São Paulo, onde as mudanças de clima são comuns e a poluição (sonora e do ar) pode atingir níveis elevados.

Assim, é preciso buscar ajuda médica com o especialista sempre que sentir:

  • Dor ou dificuldade para engolir;
  • Dor no ouvido;
  • Dor no nariz;
  • Dor na face;
  • Ronco;
  • Zumbido;
  • Dificuldade para ouvir;
  • Falta de equilíbrio;
  • Sangramento ou pus nos ouvidos, garganta ou nariz;
  • Tontura ou visão escurecida;
  • Rouquidão;
  • Alergia das vias respiratórias.

As doenças mais comuns do ouvido

A otite (inflamação do ouvido), assim como a malformação congênita do canal auditivo, é doença comum nas crianças. Já a diminuição ou perda da audição é mais frequente nos idosos.

Cuidado com as crianças

A Associação Brasileira de Otorrinolaringologia alerta que a aspiração de corpos estranhos pelo nariz e a introdução de objetos no ouvido é a terceira maior causa de acidente doméstico infantil, por isso é tão importante supervisionar as brincadeiras. Não oferecer brinquedos que podem ser colocados na boca ou no nariz e dificultar o acesso a objetos pequenos são boas medidas de precaução.

É comum a criança introduzir moedas, bolinhas, tampas de caneta e até alimentos, especialmente grãos de arroz, feijão, milho e amendoim, no nariz ou no ouvido. Assim, todo cuidado é pouco!

A ajuda médica deve ser buscada imediatamente ao perceber o desconforto da criança. Se notar a ausência do brinquedo ou objeto, também procure o médico.

 

Leia também: Férias seguras: alguns cuidados são indispensáveis para evitar acidentes e deixar a criançada aproveitar para valer

Outros acidentes relacionados à doença do ouvido são as quedas e traumas, que podem causar a perfuração do tímpano. Entre adultos, a labirintite (infecção do labirinto), caracterizada pela perda do equilíbrio, é uma patologia muito comum nos consultórios de Otorrinolaringologia.

 

As doenças mais comuns na garganta e boca

Amigdalite, laringite e faringite lideram a lista de inflamações e infecções na garganta. O tratamento inclui remédios, sempre com orientação médica, mas, quando o quadro se torna recorrente, o médico pode optar pela cirurgia. A remoção das amígdalas é a cirurgia mais comum, já que elas são responsáveis pela maioria das infecções de garganta.

A voz também é alvo dos cuidados do otorrinolaringologista. É ele quem examina a saúde das cordas ou pregas vocais (tecidos musculosos localizados na faringe, que faz parte do aparelho fonador humano). O objetivo é analisar as causas de falha ou ausência repentina de voz (afonia), além de rouquidão prolongada. Em muitos casos, o otorrinolaringologista atua em conjunto com o fonoaudiólogo para restabelecer plenamente a voz.

Algumas lesões na boca e na garganta podem evoluir para câncer, daí a necessidade de serem avaliadas por um otorrinolaringologista. Muitas vezes, essas doenças são diagnosticas durante o exame clínico com esse profissional.

Já a dificuldade para dormir, que segundo dados da Organização Mundial de Saúde atinge mais de 45% das pessoas, muitas vezes está relacionada aos quadros de ronco e apneia do sono.

Existe hoje uma área chamada Medicina do Sono. Trata-se de uma subespecialidade formada por especialistas em Otorrinolaringologia, Pneumologia, Neurologia e Psiquiatria. Em casos de síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS), a avaliação do otorrinolaringologista é primordial, ele vai investigar as vias aéreas superiores. Isso porque a SAOS se caracteriza por uma parada respiratória provocada pelo relaxamento das paredes da faringe e da base da língua, limitando a quantidade de ar que chega aos pulmões.

As doenças mais comuns do nariz

A rinite e a sinusite são inflamações bastante comuns na região nasal. Outras muito frequentes são o desvio de septo, o aumento da adenoide (glândula do sistema imunológico localizada atrás da cavidade nasal), a coriza intensa e a congestão nasal. Essas doenças podem acometer indivíduos de qualquer idade, sendo responsáveis por muitas consultas de emergência no pronto atendimento.

 

Leia também: Pronto atendimento: socorro imediato para salvar vidas

A boa notícia é que existem tratamentos eficazes para elas. O médico pode prescrever desde medicamentos até vacinas e cirurgias.

Para agendar uma consulta com o otorrinolaringologista do Hospital Presidente, envie e-mail para [email protected] ou telefone para 2261.6611, ramal 1085, com Camila.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *