fbpx

Agravamento de doenças crônicas: não deixe o medo da covid-19 ameaçar a sua saúde

doenças crônicas

Hospital Presidente alerta que aumentou o número dos que só buscam o Pronto Atendimento quando já é quase tarde demais.

  

O medo de pegar o novo coronavírus tem feito os pacientes de doenças crônicas adiarem ao máximo as consultas de acompanhamento médico. Até quando os sintomas começam a se agravar as pessoas evitam ir ao ambulatório ou Pronto Atendimento. Essa não é uma boa ideia – e pode trazer consequências indesejadas.

Os pacientes de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, doenças renais, cardíacas e respiratórias, que adiam a consulta de rotina ou a busca de atendimento médico podem ter problemas. A demora em ir ao especialista pode agravar uma doença crônica, exigindo um tempo maior de internação em caso de crise. Pior: fica mais difícil evitar a ocorrência de doenças associadas, como AVC ou infarto, por exemplo.

 

Medidas de segurança

O Hospital Presidente adotou novos protocolos e medidas de segurança para minimizar os riscos de contaminação durante a pandemia.

Quando chega um paciente com sintomas respiratórios ao Pronto Atendimento, ele é imediatamente levado para uma área reservada. Ali é atendido por uma equipe de médicos e enfermagem exclusiva. Isso significa que esses profissionais são especializados no atendimento a pacientes de covid-19 e não têm contato com outras pessoas que buscam o Pronto Atendimento do Hospital Presidente.

A medida não evita somente a contaminação de outros pacientes, também é eficiente para acelerar o atendimento de quem chega com sintomas respiratórios e, assim, apressar a sua recuperação.

Além disso, o Hospital Presidente adotou um processo de desinfecção de ambientes por luz ultravioleta. Essa tecnologia inovadora é utilizada para desinfetar EPIs e tudo o que está ao alcance das mãos: maçanetas, interruptores de energia, corrimãos e barras de apoio e até controles remotos de ar-condicionado e TV nos quartos de internação.

O que pode acontecer

Médicos do Hospital Presidente alertam que, muitas vezes, o paciente em quarentena doméstica começa a se sentir mal e permanece em casa, por vários dias, sem buscar ajuda especializada. Aposta no descanso e no passar no tempo para que o organismo se recupere. Esse é um risco muito alto.

A gravidade da demora em receber atendimento médico é fácil de entender. Tomemos como exemplo uma infecção de urina. Sem a medicação adequada, a doença pode evoluir para uma pielonefrite e até provocar a falência renal.

No caso de diabetes e hipertensão, doenças silenciosas e assintomáticas, não dá para adiar o controle por meio de consultas regulares com os especialistas e exames de monitoramento. Sem esses cuidados, essas doenças podem evoluir e causar infarto ou AVC.

Tão grave quanto negligenciar as consultas e exames é a automedicação. Os remédios podem mascarar a gravidade dos sintomas e o paciente acredita que pode adiar ainda mais o atendimento médico, por achar que está tudo bem. Todos os organismos de saúde, como o Ministério da Saúde e a OMS, são unânimes em alertar para o perigo da automedicação.

 

Aliados para vencer o medo

Quer evitar problemas de saúde? A receita é simples e conhecida: começa com a alimentação equilibrada, com o consumo de frutas, verduras e legumes. É bom evitar embutidos, alimentos gordurosos e industrializados como bolachas recheadas, refeições congeladas, etc.

O sedentarismo é outro inimigo da boa saúde. Procure fazer exercícios todos os dias ou pelo menos três vezes por semana. Se não souber por onde começar, os cardiologistas dão uma dica: aposte na caminhada. É um exercício simples, que não requer muita supervisão e tem efeitos muito positivos para a saúde.

Levar uma vida saudável também inclui parar de fumar e reduzir o consumo de álcool.

O mais importante: siga as orientações do seu médico. Ele é o profissional mais indicado para ajudar a evitar tanto os riscos de contaminação por coronavírus como de complicações da sua saúde.

 

Leia também 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *