fbpx

Mal de Parkinson: estilo de vida saudável e diagnóstico precoce são as melhores armas para enfrentar os sintomas incapacitantes

parkinson

Progressiva e ainda sem cura, a doença atinge principalmente os homens a partir dos 60 anos.

 

O mal de Parkinson é uma doença neurológica, progressiva e, muitas vezes, incapacitante. Os tremores são o sintoma mais conhecido, mas há outros sinais que ajudam no diagnóstico precoce.

 

Há muitas perguntas sem respostas sobre o mal de Parkinson. Sabe-se que a diminuição lenta de dopamina, neurotransmissor responsável pelos movimentos, provoca tremores e redução dos movimentos. Recentemente, o Centro Médico Johns Hopkins publicou um estudo que relaciona a proteína alfa-sinucleína, encontrada no intestino, à diminuição da dopamina. A alfa-sinucleína se acumularia no cérebro, impedindo a produção de dopamina e matando as células nervosas.

O estudo ainda está em fase inicial, mas acende a chama da esperança de cura para 200 mil brasileiros. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que o Parkinson atinge 1% da população mundial, por isso, os estudos para a cura da doença precisam avançar.

 

Os sintomas do Parkinson

A imagem de um idoso com tremor é a primeira que associamos ao mal de Parkinson, mas já indica a progressão da doença. Aliás, uma das grandes dificuldades dos médicos e pacientes é determinar quando surgem os sintomas iniciais.

No começo, os tremores podem ser esporádicos e acompanhados de uma diminuição dos movimentos muito lenta. A letra também diminui. Tudo muito sutil e, por isso, pode passar facilmente despercebido, mas, você deve estar atento, principalmente em homens a partir dos 60 anos. É nesse grupo que a doença é mais comum.

Ao perceber esses sinais, não os atribua à chegada da velhice. É hora de buscar a ajuda de um neurologista para afastar – ou confirmar – o diagnóstico.

Conforme a doença avança, os sintomas tornam-se mais evidentes. Conheça-os:

  • Passos curtos, com redução do balançar natural dos braços ao caminhar;
  • Dificuldade de engolir e tendência a babar;
  • Ausência de expressão de emoções na face e diminuição de movimentos automáticos, como piscar;
  • Dificuldade em ler e escrever, confusão mental;
  • Prisão de ventre;
  • Exaustão;
  • Voz para dentro e mais baixa;
  • Depressão;
  • Perda de olfato;
  • Perda de memória, alucinação e demência. 

Por que o diagnóstico precoce é tão importante?

O corpo humano é um mistério. As células do organismo se renovam e multiplicam constantemente, porém, isso parece não acontecer no cérebro. Quando as células nervosas morrem, elas não são substituídas. À medida que a dopamina desaparece, as células nervosas começam a morrer e os sintomas do Parkinson tendem a se agravar.

Os cientistas afirmam que a progressão da doença é muito lenta, mas irreversível, assim, é preciso combater o seu avanço. Já há muitos medicamentos para estimular a produção de dopamina. A terapia ocupacional, a fisioterapia e a fonoaudiologia também se mostraram eficientes em muitos pacientes.

O diagnóstico, em geral, é confirmado por exames de imagem, como tomografia e ressonância magnética. A melhora dos sintomas com o uso de medicamentos é outro sinal de que é mesmo Parkinson.

 

É possível evitar o mal de Parkinson?

Os dois fatores de risco para o mal de Parkinson são o avanço da idade e a hereditariedade. Se há pessoas na família com a doença, você tem maiores chance de desenvolvê-la e deve ficar mais atento a qualquer sintoma.

Exercícios físicos, atividade intelectual e boa alimentação parecem retardar o Parkinson. Quanto antes começar essas práticas, melhor, mas é muito importante não parar. Quando a aposentadoria chega é hora de investir ainda mais na saúde!

 

Fazer exercícios todos os dias, ler diariamente, acompanhar o noticiário são medidas recomendadas pelos médicos para afastar a doença. Palavras cruzadas, quebra-cabeças e atividades manuais também são indicados, porque mantêm o cérebro alerta. É importante ainda ter uma alimentação baseada em vegetais, fibras, proteínas magras e gorduras saudáveis, como o azeite.

O Hospital Presidente conta com uma equipe de neurologia altamente capacitada e em constante atualização sobre as doenças da especialidade. Para agendar uma consulta é só ligar para (11) 2261-6611, ramal 1085, com Ana Paula. Você pode ainda enviar um e-mail para [email protected].

 

Leia também 

Hospital Presidente oferece atendimento especializado para a terceira idade

Dicas essenciais para o idoso aumentar sua qualidade de vida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *