fbpx

Novembro Azul: mitos e verdades para acabar de vez com o preconceito contra o exame de próstata

exame de próstata

O exame de próstata ainda é o mais eficiente para detectar o câncer e outras doenças. Deve ser feito anualmente, a partir dos 50 anos.

O preconceito é tão grande que há homens que se recusam a fazer um exame simples, rápido e quase sempre indolor. O risco é alto porque o câncer de próstata é o mais comum entre os homens. Pode crescer lentamente, sem apresentar qualquer sintoma, e quando os primeiros sinais se manifestam a doença já pode ter se espalhado para outros órgãos, reduzindo as chances de cura. É hora de superar o preconceito e encarar a verdade e os mitos sobre o exame de próstata, que pode salvar a sua vida.

 

O contato anal entre homens é associado ao homossexualismo. A região da próstata também está relacionada ao prazer masculino. Daí vem a origem do preconceito quanto ao exame de próstata. Porém, o único objetivo desse procedimento é salvar vidas. O toque retal ainda é o método mais eficiente para diagnosticar precocemente o câncer de próstata, o tipo de tumor maligno mais comum entre os homens.

Para alertar sobre a importância de todos os homens acima de 50 anos fazerem esse exame, em 2008, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) e o Instituto Lado a Lado pela Vida trouxeram para o Brasil a campanha Novembro Azul.

A iniciativa surgiu quatro anos antes, na Austrália, quando alguns amigos decidiram chamar a atenção para a saúde masculina. Hoje, a campanha é feita em mais de 20 países. Vale lembrar também que o mês foi escolhido por conta do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, comemorado em 17 de novembro.

 A informação é a melhor arma contra o preconceito. Veja aqui alguns mitos e verdades sobre esse exame e não deixe de fazê-lo se estiver no grupo indicado.

 

Só o toque retal pode identificar tumores iniciais?

 Verdade. Diferente de outros tumores, como o de mama, por exemplo, o câncer de próstata é difuso e por isso mais difícil de identificar em exames de imagem, sobretudo em sua fase inicial, quando as chances de cura são muito maiores.

Pelo toque, o médico consegue perceber melhor a textura e a presença de alterações. É também possível avaliar se a próstata tem o tamanho normal ou está aumentada, além de outras doenças na região.

O exame é rápido e não causa dor. Alguns homens podem sentir certo desconforto, mas não é preciso anestesia e nem internação. O exame é realizado no próprio consultório e o paciente pode retomar suas atividades normalmente, logo depois.

 

Existe uma posição confortável para realizar o exame?

Verdade. As posições mais temidas pelos homens são a ginecológica e de quatro apoios, mas é possível fazer o exame deitado de lado na maca. Essa posição não interfere no resultado do exame.

 

Se não tenho sintomas, como disfunção erétil ou dor para urinar, não preciso me preocupar.

Mito. Na imensa maioria das vezes, não há qualquer sintoma nas fases iniciais. O tumor de próstata tem um crescimento muito lento, tanto que, algumas vezes, o médico opta por não iniciar imediatamente o tratamento, apenas observar a evolução. O problema é que há também tumores muito agressivos, que se espalham por outros órgãos. Por isso, o Ministério da Saúde indica o toque retal como um exame de rastreio. Significa que todos os homens devem fazê-lo para identificar possíveis casos de câncer. São mais de 60 mil novos casos todos os anos, só no Brasil.

O exame deve ser repetido anualmente a partir dos 50 anos, já que o câncer de próstata é mais comum a partir dessa idade. Mas, atenção: se outros homens da família já tiveram câncer de próstata é preciso começar esse rastreio aos 40 anos. O câncer de próstata também é mais comum entre os negros, por isso é recomendável que estes também comecem a fazer o toque retal a partir dos 40 anos.

 

O PSA pode substituir o toque retal?

Mito. PSA é a sigla para antígeno prostático específico, em inglês. Seu nível pode permanecer inalterado, diante de tumores iniciais, em até 15% dos pacientes. E pode acontecer o contrário. Como o PSA também está presente em outras glândulas, como periuretrais e a pancreática, qualquer inflamação local pode provocar alterações. Até uma simples infecção de urina pode elevar o PSA; então, não se assuste com um resultado alterado. É um sinal de alerta, mas ainda não significa que você tem câncer. Seu médico solicitará exames complementares para confirmar ou descartar o diagnóstico.

 

Ficarei impotente se tratar a minha próstata?

Mito. Os músculos ao redor da próstata estão relacionados à ereção. A próstata em si tem funções apenas reprodutivas, como produzir o líquido que protege os espermatozoides. A impotência só ocorrerá se, no caso de uma cirurgia, esses músculos forem lesionados. A chance de isso acontecer em tumores iniciais é muito pequena e as técnicas cirúrgicas avançaram muito, mesmo para os tumores maiores. Entretanto, o crescimento desproporcional da próstata ou do câncer pode, sim, levar à impotência. E vale ressaltar: a atividade sexual, mesmo homossexual, não provoca câncer.

 

A equipe de urologia do Hospital Presidente é altamente capacitada para diagnosticar precocemente o câncer e outras doenças da próstata. Para agendar uma consulta, é só ligar para (11) 2261-6611, ramal 1085, com Ana Paula. Você pode ainda enviar um e-mail para [email protected].

 

Leia também:

Hospital Presidente: Novembro Azul contra o preconceito e a favor da saúde do homem

Urologia: essencial para a saúde sexual do homem e do trato urinário de todos os sexos e idades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *