fbpx

Novembro Dourado: campanha alerta para o câncer infantojuvenil

novembro dourado

Sem prevenção, o olhar atento dos pais e pediatras é a melhor arma para o diagnóstico precoce, que pode salvar a vida de crianças e adolescentes.

  

Os fatores de risco, que uma vez conhecidos ajudam os adultos a afastar o perigo dos tumores, não são uma proteção para as crianças. O INCA estima mais de 8 mil novos casos de câncer infantojuvenil em 2020. Descubra aqui como a sua proximidade com seu filho pode salvar a vida dele.

 

O câncer não é uma doença relacionada apenas ao envelhecimento. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) espera 8 mil novos casos de câncer na população de 0 a 19 anos só neste ano. O câncer infantojuvenil é a segunda maior causa de morte nessa faixa etária. Essa não é uma realidade só do Brasil, o cenário se repete nos países mais desenvolvidos também.

 

Por que o câncer é um risco também na infância?

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) explica que, nas crianças, o câncer não se desenvolve tão lentamente como nos adultos. Pode-se dizer que, em geral, o tumor infantil é mais agressivo, crescendo rapidamente.

Outra diferença está na localização da doença. Nos adultos, os tumores mais comuns se localizam no epitélio, tecido que recobre diversos órgãos. Já o tumor infantil geralmente afeta as células do sangue e os tecidos de sustentação, por isso, a leucemia, os linfomas e o câncer do sistema nervoso são os mais comuns na infância.

A boa notícia é que o organismo mais jovem responde melhor ao tratamento de quimioterapia. As chances de cura entre crianças e jovens atingem 90%. O problema é que, muitas vezes, esse tipo de câncer só é diagnosticado em seus estágios mais avançados. Embora permaneça a expectativa de cura nas fases mais elevadas, as consequências da doença e do próprio tratamento são mais severas, significam mais dor, sofrimento, amputações e outras sequelas permanentes que poderiam ser evitadas com o diagnóstico precoce.

 

Só o seu amor pode proteger seu filho

Criança não fuma, não abusa do álcool e nem deixa o exercício para depois. Os fatores de risco ambientais, que podem afastar o câncer nos adultos, não têm efeito nas crianças. Também não há estudos conclusivos sobre alterações genéticas responsáveis pelo surgimento do câncer infantojuvenil.

A única arma que crianças e adolescentes contam para se proteger é o amor e o olhar atento dos pais. Essa é uma fase de rápidas transformações, mas você precisa estar atento às mudanças no seu filho, tanto físicas como comportamentais.

A seguir, relacionamos os sintomas associados aos principais tipos de câncer nessa faixa etária. Esses sintomas são comuns a várias outras doenças da infância, assim, é preciso ficar atento ao menor sinal de mudança. Se os sintomas não desaparecem com o tratamento proposto pelo pediatra é hora de avaliar o diagnóstico precoce para o câncer.

  • Leucemia: a medula óssea está sendo atacada por células anormais, por isso as infecções são mais comuns e frequentes. Há palidez, sangramento e dor óssea.
  • Retinoblastoma: o “reflexo do olho do gato” é o embranquecimento da pupila quando exposta à luz e à claridade. Pode haver estrabismo e fotofobia (sensibilidade exagerada à luz). É mais comum em crianças até os 3 anos. Recomenda-se o teste do olhinho ainda na maternidade.
  • Tumor de Wilms (renal) ou neuroblastoma: aumento de volume ou surgimento de massa abdominal.
  • Osteossarcoma: tumores visíveis ou não que podem causar dor nos membros, mais comuns entre os adolescentes.
  • Tumor do sistema nervoso central: dor de cabeça, vômito, alterações motoras e de comportamento e paralisia.

 

O Hospital Presidente conta com uma equipe de pediatria altamente capacitada para acompanhar o crescimento do seu filho. Se alguma suspeita surgir, estamos preparados para buscar o diagnóstico precoce, com toda a urgência necessária. Para agendar uma consulta é só ligar para (11) 2261-6611, ramal 1085, com Ana Paula. Você pode ainda enviar um e-mail para [email protected].

 

 

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *