fbpx

Doença de Alzheimer 

21 de setembro: Dia de lembrar da Doença de Alzheimer 

 

A data marca o dia mundial e o dia nacional de conscientização da Doença de Alzheimer , que é cada vez mais comum entre os idosos

 

Perder a memória e a autonomia até para tarefas simples, como se vestir ou preparar uma refeição, é um fantasma que assombra a nossa velhice. Os cientistas ainda não descobriram as causas do Alzheimer e nem a sua cura. Isso não significa que você não possa fazer nada. Conhecer os mitos e verdades que a rondam é uma forma de nos preparar para entender melhor a doença. Neste texto, você encontra também dicas para preservar a memória desde cedo e diminuir os riscos de desenvolvê-la. 

 

1. A Doença de Alzheimer é uma doença da terceira idade. 

 

 Mito. O Alzheimer é mais comum a partir dos 65 anos nos homens e dos 60 anos nas mulheres. Mas há casos de pessoas que começam a apresentar os sintomas ainda mais cedo, por volta dos 50 ou até logo depois dos 40 anos

 

2. As mulheres têm mais chances de desenvolver a doença.

 

Verdade. A Associação Internacional de Alzheimer mostra que as mulheres não apenas começam a apresentar os sintomas mais cedo, mas também têm um número de casos maior. Para ficar mais fácil de entender: os homens têm um risco de 1 para 11 de desenvolver a doença. Para as mulheres, este risco é de 1 para 6. Os especialistas ainda não sabem por que isso acontece, mas uma aposta ainda está relacionada à menor escolaridade feminina. Os especialistas já identificaram um número maior de pacientes analfabetos ou com baixa escolaridade vítimas da doença. Por isso é cada vez mais forte a corrente de médicos que recomendam políticas públicas de mais escolarização.

 

3. O primeiro sintoma é sempre o esquecimento.

 

Mito. Os esquecimentos são muito comuns, mas de acordo com a área do cérebro afetada a linguagem ou a visão podem ser as primeiras áreas afetadas. Outro indicador é quando as tarefas simples começam a ficar mais difíceis e os erros mais comuns. Você começa a perceber que está mais lento, levando mais tempo para fazer as mesmas coisas. 

 

4. É impossível evitar a Doença de Alzheimer. 

 

Mito. É preciso entender que o papel dos velhinhos não é ficar no sofá fazendo crochê ou lendo o jornal. É preciso se manter sempre em atividade. Caminhar é um excelente exercício para todas as idades e com muitos benefícios para os idosos. E não se pode esquecer da mente. É importante continuar a aprender em todas as fases da vida. Pode ser um novo hobby, um novo idioma ou até um novo interesse como estudar finanças ou arte. Aprender a gostar de ler vale a pena, porque os livros são ótimos amigos do cérebro. Exercícios de matemática, jogos de lógica como o xadrez e fazer palavras cruzadas também contribuem para manter as sinapses entre os neurônios em boa forma. Ioga, meditação e práticas de alongamento, como o pilates e o tai chi chuan, também são recomendados. 

Há estudos que apontam que uma alimentação saudável, evitar o cigarro e o uso abusivo do álcool também fazem a diferença. 

 

5. Outras doenças podem agravar o Alzheimer.

 

Verdade. Ainda não se sabe por que as placas de proteínas se acumulam nos neurônios, levando à sua morte.  Mas há estudos que apontam para uma grande influência de doenças cardiovasculares e metabólicas, como o diabetes melitus.  Traumas também podem alterar o equilíbrio das proteínas e agravar o quadro. 

 

6. Diagnóstico precoce ajuda. 

 

Verdade. O diagnóstico precoce ajuda muito. Vale até as consultas de rotina com um geriatra ou neurologista. Esses especialistas conseguem identificar sintomas que você sequer imagina que possam ser suspeitos. 

O Hospital Presidente conta com uma equipe de geriatria capaz de ajudar em todas as doenças relacionadas à idade. Para agendar uma consulta, basta ligar para a Ana Paula no telefone (11) 2261-6611, ramal 1085. Você também pode enviar um e-mail para [email protected].

 

Leia também

 

Palavras-chaves

  • Alzheimer
  • Dia Mundial do Alzheimer
  • Perda de Memória
  • Esquecimento

 

Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *