fbpx

Vitamina D: para que serve e como consumir naturalmente

Vitamina D: para que serve e como consumir naturalmente


Essencial para o bom funcionamento do sistema imunológico, a vitamina D está presente em grande quantidade no óleo de fígado de peixe, assim como no salmão e nas ostras. Conhecida como a “vitamina do sol”, está relacionada a funções que vão do fortalecimento dos ossos e dentes até a prevenção de doenças como a esclerose múltipla e a hipertensão

 

A vitamina D é uma substância imprescindível para o bom desempenho de muitas funções no organismo. Uma das mais conhecidas é a constituição e manutenção de ossos fortes. Por isso, seu consumo está diretamente relacionado à prevenção e tratamento da osteopenia e osteoporose. Mas ela atua também na prevenção ao diabetes e em quadros de infecção por vírus como o da gripe e da Covid-19, entre outras doenças. Saiba mais sobre esta vitamina polivalente neste texto.

 

O que é a vitamina D

A vitamina D é um pró-hormônio que, associado ao paratormônio (PTH) atua como um importante regulador do organismo. Ela é produzida principalmente pelo Sol, sendo conhecida popularmente como “a vitamina do Sol”.  Graças à exposição aos raios ultravioletas do tipo B ocorre a síntese que ativa a produção desse nutriente. Mas ela também pode ser adquirida através do consumo de alimentos ricos em proteína animal ou por meio de suplementos.

Funções da vitamina D

A vitamina D é eficiente em diversos processos no nosso organismo. Por isso, é extremamente importante que ela esteja sempre em níveis adequados em nosso corpo. Podemos citar como principais funções dela:

  • Fortalecer ossos e dentes – Aumenta a absorção de cálcio e fósforo no intestino, facilitando a entrada destes minerais nos ossos, ajudando em sua formação.
  • Prevenção da diabetes – A vitamina D atua na manutenção da saúde do pâncreas, que é o órgão que produz a insulina, hormônio que regula a glicose.
  • Ajuda na imunidade – Faz com que a imunidade não fique baixa, ajudando a prevenir infecções bacterianas e virais, inclusive se mostrou muito importante durante a pandemia da covid.
  • Prevenção de doenças – Ajuda a prevenir doenças como a esclerose múltipla e alguns tipos de câncer, pois atua no controle da morte celular, diminuindo a formação e proliferação de células malignas.
  • Melhora em relação a parte cardiovascular – A vitamina D diminui a pressão arterial, prevenindo o risco de hipertensão e outras doenças nessa parte.

 Alimentos ricos em vitamina D

É sabido que a maior fonte de produção da vitamina D é a exposição ao sol. Porém, com nossa rotina cada vez mais em casa, por conta do home office e da pandemia, ou em escritórios, quando é possível o trabalho presencial, fica muito difícil reservar um tempo para tomar sol, especialmente no horário indicado, que é entre 10h e 12h, ou entre as 15h e as 16h30, quando os raios ultravioletas do tipo B são maiores. Por outro lado, este é também o horário em que há maior risco de câncer de pele. Portanto, todo cuidado é pouco! O ideal é expor a pele ao sol somente em períodos curtos, de 15 minutos, no máximo, alternando com períodos maiores na sombra.

Uma alternativa para quem se preocupa em manter bom nível de vitamina D no organismo é recorrer aos alimentos ou aos suplementos de farmácia. Conheça alguns alimentos ricos em vitamina D:

  • Óleo de fígado de bacalhau: É o alimento mais rico em vitamina D.
  • Salmão: Ótima fonte, fornece boa quantidade do nutriente.
  • Salmão defumado: Possui maior quantidade da vitamina do que o salmão, sendo também muito indicado.
  • Ostras: Outro alimento rico em vitamina D.
  • Fígado de boi: Possui uma quantidade razoável desta vitamina.
  • Ovo cozido e manteiga fornecem baixa quantidade da vitamina D, porém não devem ser descartados

Atenção: Nenhum desses alimentos deve ser consumido em abundância, pois alguns possuem alto teor calórico.

 

Níveis recomendados de vitamina D

Basta um exame de sangue para saber como está o nível de vitamina D em nosso organismo. O resultado sai rápido, no máximo em 1 hora.

Os níveis de vitamina D considerados bons variam conforme a idade:
  • Acima de 20 ng/ml: pessoas saudáveis até 60 anos
  • Entre 30 e 60 ng/ml: pessoas acima dos 60 anos, grávidas, em amamentação, pessoas com insuficiência renal

Caso você esteja abaixo do nível ideal, existem alguns sinais que mostram essa deficiência. Fique atendo a eles:

  • Diminuição de cálcio e fósforo no sangue
  • Ficar doente ou contrair infecções com frequência
  • Fadiga e cansaço
  • Dor nos ossos e nas costas
  • Depressão
  • Dificuldades de cicatrização
  • Perda óssea
  • Perda de cabelo.

Por outro lado, há pessoas que apresentam excesso de vitamina D, e isso também pode causar complicações de saúde. Os efeitos mais comuns relacionados a esse quadro são: formação de cálculos renais, calcificação de tecidos e de artérias e também níveis elevados de fósforo e cálcio no sangue.

Para checar se o seu nível de vitamina D está adequado, procure orientação médica. Ele irá solicitar o exame de sangue e indicará o melhor tratamento, seja para a falta, seja para o excesso.

O Hospital Presidente oferece consulta ambulatorial em mais de 20 especialidades. Possui ainda um moderno e completo Centro de Diagnósticos, para a realização dos exames com toda a comodidade, no mesmo local. Para agendar uma consulta, basta ligar para a Ana Paula, no telefone (11) 2261-6611, ramal 1085. Se preferir, pode enviar um e-mail para [email protected]

 

Leia também:

Vem chegando o verão

Check-up médico: Não deixe para depois

 

Palavras-chave

– Vitamina D

– Sol

– Alimentação

– Vitamina do Sol

 

Referências:

https://www.vittude.com/blog/vitamina-d/

https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/01/30/preciso-mesmo-suplementar-vitamina-d-entenda-tudo-sobre-ela.htm

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/34queimadura.html#:~:text=O%20hor%C3%A1rio%20entre%2010%20e,O%20bronzeamento%20ocorre%20gradativamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *