fbpx

Vacinação infantil contra a covid-19: proteja seus pequenos e fique longe das fake news

É muito importante garantir que todos sejam vacinados para acabarmos com a pandemia.

Iniciada em São Paulo no dia 14 de janeiro, a vacinação infantil começou gerando muitas dúvidas, mas também com filas para imunizar as crianças. Disponível para a faixa etária de 5 a 11 anos, com comorbidades ou deficiências, quilombolas e indígenas, logo a vacina da Pfizer foi liberada para todas as crianças de 9 a 11 anos. Após o dia 28 de janeiro, os pequenos entre 5 e 8 anos já estavam autorizados a ir ao posto se vacinar. Pouco depois, o imunizante Coronavac foi permitido para a população entre 6 e 17 anos. O intervalo entre as duas doses para crianças vacinadas com a Pfizer é de oito semanas, enquanto as que recebem a Coronavac devem esperar 28 dias entre as doses.

Em São Paulo, o pré-cadastro para a vacinação infantil é feito no mesmo site dos adultos, o Vacina Já. Essa etapa é muito importante para evitar a espera no posto de vacinação, pois a maioria das informações já está cadastrada.

Para acelerar a imunização de todas as faixas etárias, a Prefeitura de São Paulo ampliou a campanha para escolas públicas e privadas. Não é necessário que os pais estejam presentes, basta um termo de consentimento assinado pelos responsáveis para que a criança seja vacinada.

A vacina é perigosa? Isso é fake news!

Infelizmente, ainda circulam muitas notícias falsas sobre o efeito das vacinas em adultos e crianças, comprometendo o sucesso da vacinação. As redes sociais estão cheias de vídeos e notícias aparentemente jornalísticas envolvendo principalmente o imunizante da Pfizer.

A onda de desinformação vai desde que a vacina pode provocar doenças até a morte. Nada mais falso. O site da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) alerta:  “É importante deixar claro que os materiais sobre mortes após o uso de vacinas contra covid-19 são falsos e não possuem nenhum embasamento científico. A vacinação hoje é a abordagem farmacológica mais promissora – e segura – para o controle da pandemia causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). A proporção de indivíduos imunizados está diretamente relacionada à eficiência no combate à pandemia”.

As reações mais comuns

Todas as vacinas – não só contra a covid-19 – podem causar efeitos colaterais que passam rapidamente na maioria dos casos, por isso, é importante conhecer as reações adversas esperadas e não se assustar quando uma delas surgir após a vacinação dos pequenos.

As mais comuns são dor, vermelhidão ou inchaço no local da aplicação, mal-estar geral, febre, dor de cabeça e muscular. Todos esses efeitos são considerados normais e não sentir nada também não é sinal de que a vacina não funcionou.

Com relação à vacina da Pfizer, as reações mais relatadas são:
Mais comuns:
  • Dor de cabeça;
  • Dor muscular;
  • Inchaço;
  • Vermelhidão no local;
Comuns:
  • Diarreia;
  • Vômitos;
  • Dor nas articulações;
Incomuns:
  • Aumento dos gânglios linfáticos;
  • Urticária (alergia da pele com forte coceira);
  • Lesões na pele;
  • Falta de apetite.

 

Os efeitos colaterais são semelhantes quando é usada a vacina Coronavac, veja:
Mais comuns:
  • Dor ou vermelhidão no local da picada;
  • Febre;
  • Dor de cabeça;
Menos comuns:
  • Diarreia;
  • Náusea;
  • Vômitos;
  • Dor muscular;

Para amenizar esses sintomas são indicados analgésicos ou antitérmicos de uso infantil. Caso a dor no braço esteja muito forte, uma bolsa de água morna ou fria na região ajuda bastante. Se ocorrerem náuseas, vômitos ou diarreia é importante deixar a criança hidratada – a água de coco é excelente para isso. Em caso de febre, além do antitérmico indicado pelo pediatra é importante que não passe de dois dias. Caso isso aconteça, recomenda-se levar a criança ao posto onde foi vacinada e explicar a situação.

Não deixe de se vacinar e vacinar seus filhos. A vacina protege contra a ocorrência de casos graves, evitando internações, infecções e óbitos. Ser vacinado é viver mais.

Caso tenha algum sintoma, não deixe de procurar ajuda médica. O Hospital Presidente oferece pronto atendimento 24 horas, todos os dias da semana. É possível ainda fazer consultas em mais de 20 especialidades e realizar exames com toda a comodidade, em um moderno e completo centro de diagnósticos, sem precisar sair do local.

Para agendar uma consulta, basta ligar para a Ana Paula, no telefone (11) 2261-6611, ramal 1085. Se preferir, pode enviar um e-mail para agendamento@hospitalpresidente.com.br.

 

Leia também:

Desinformação sobre a eficiência das vacinas traz o fantasma de doenças para mais perto de todos

Coronavírus: saiba como se proteger e reduzir os riscos de contaminação

 

Palavras-chaves

– Vacinação

– Covid-19

– Vacinação infantil

 

Referências:

https://saude.abril.com.br/familia/as-principais-perguntas-dos-pais-sobre-as-vacinas-da-covid-para-criancas/

https://www.saopaulo.sp.gov.br/noticias-coronavirus/estado-de-sp-atinge-60-das-criancas-imunizadas-o-dobro-dos-eua/

https://www.vacinaja.sp.gov.br/

https://educacao.uol.com.br/noticias/2022/02/16/sp-vacina-criancas-contra-covid-nas-escolas-a-partir-de-19-de-fevereiro.htm

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *