fbpx

Conheça cinco mitos e verdades sobre as varizes, problema que atinge quase 40% da população brasileira

A doença é mais frequente nas mulheres, numa proporção de 2,3 para 1 homem. Quanto mais avançada a idade, maior a incidência: 70% das pessoas acima de 70 anos podem ter varizes. Entre as muitas dúvidas, uma persiste: varizes são apenas uma questão estética ou podem causar mal à saúde?

 

Você sabe o que é mito e o que é verdade sobre as varizes? Para sanar todas as dúvidas em relação a esse problema, que atinge 38% da população geral brasileira, sendo encontrada em 30% dos homens e em 45% das mulheres, segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, convidamos o doutor Rafael B. de Ávila, cirurgião cardiovascular do Hospital Presidente.

Ele alerta que o incômodo com a presença das varizes vai além da questão estética. Se não forem tratadas, podem se tornar um fator de risco para problemas de saúde, como trombose venosa e úlceras na pele. A boa notícia é que existem saídas para tratar os tubos dos membros inferiores antes que causem mais dor de cabeça. E dá para evitar o problema também.

Vamos começar listando cinco mitos que são muito difundidos e muitos acreditam ser verdade.

Mitos

 

  1. Varizes são apenas um problema estético

O fator estético pesa muito, as varizes chamam a atenção, fazendo com que muitas mulheres deixem de sair de casa por conta delas. Entretanto, isso vai muito além da estética, pois, além da dor que elas causam, se não forem tratadas, podem gerar problemas sérios de saúde, como úlceras e trombose venosa. “Câimbras, pernas pesadas, ressecamento de pele e coceira podem ser atribuídos às varizes, mas, geralmente, as pessoas não associam tais sintomas à doença. É importante buscar tratamento para ajudar com o alívio de tais condições, mesmo quando não há preocupação estética”, alerta o doutor Rafael B. de Ávila.

  1. Usar salto alto causa varizes

Apenas o uso de sapatos de salto alto não provoca varizes. Entretanto, se usados diariamente e por muitas horas, podem causar dificuldades para o sangue das pernas ser bombeado corretamente. Com isso, há uma maior predisposição ao aparecimento de sintomas comuns das varizes, como queimação e dor nas pernas.

Para aliviar esses sintomas e evitar o aparecimento da doença, antes e depois de usar salto alto o ideal é alongar as panturrilhas. Sempre que puder, intercale os dias com sapatos de salto baixo. Segundo o especialista do Hospital Presidente, “O uso do salto alto tende a piorar os sintomas em pessoas que já têm varizes, mas não contribui com a formação de novos vasos”.

  1. Vasinhos e varizes são a mesma coisa

Ambos são originados por veias dilatadas, porém, os vasinhos são veias de menor espessura, localizadas nas camadas mais superficiais da pele e que não causam muitos sintomas. Já as varizes são veias mais grossas e localizadas em partes mais profundas da pele, por isso são consideradas mais sérias e incômodas, requerendo tratamento mais urgente. “Os vasinhos normalmente acabam sendo uma preocupação mais estética, enquanto que as varizes, além da questão estética, podem ter alguns dos sintomas como dor, cansaço, manchar a pele e levar até a feridas, como úlceras em situações piores”, explica o doutor Rafael.

  1. Usar roupas apertadas pode gerar varizes

A explicação aqui é semelhante ao salto alto. Mulheres com predisposição genética e com hábitos de vida sedentários têm maiores chances de sofrer com varizes, portanto, devem evitar o uso prolongado de roupas, como calças, que comprimem muito as veias.

  1. Tratamentos para varizes são doloridos

Este é o maior de todos os mitos. Hoje, a medicina está tão avançada que é possível tratar varizes em poucas semanas. Além disso, existem diversos métodos que podem ser usados, dependendo do quadro clínico da paciente. Quando feitos por profissionais capacitados e com equipamentos tecnológicos de qualidade, o desconforto é praticamente inexistente e as mulheres recuperam a saúde e a autoestima facilmente. Diz o doutor Rafael B. Ávila: “Algumas medidas comportamentais, como a prática de atividades físicas, uso de meias elásticas e medicações específicas podem promover rápido auxílio no tratamento das varizes. Além disso, a cirurgia, em casos determinados, também é bastante resolutiva”.

Verdades

 

  1. As varizes têm origem genética

A predisposição genética é a principal causa do surgimento das varizes: cerca de 80% dos casos ocorrem devido à herança genética. Dessa forma, quem possui histórico familiar tem muito mais chances de desenvolver a doença e deve ficar atento aos sintomas, procurando auxílio médico especializado aos primeiros sinais. “Muitos pacientes acham que as varizes surgem por tempos prolongados em pé ou sentados, durante o trabalho, mas o principal fator é a genética, mesmo. Logo, se algum dos familiares, como pais ou avós, tiverem varizes, há uma alta probabilidade de a pessoa desenvolver a doença”, explica o médico do Hospital Presidente. 

  1. Comer errado ajuda no aparecimento de varizes

Como tudo em nosso corpo, comer bem influencia também as varizes. Uma alimentação equilibrada mantém o indivíduo saudável e em seu peso ideal. Isso faz com que diminuam as chances do adoecimento das veias das pernas. No caso de uma pessoa obesa, as veias são sobrecarregadas e tornam-se mais predispostas a adoecer e se tornar varizes. 

  1. O calor aumenta a chance de vasinhos e varizes

As altas temperaturas dilatam os vasos sanguíneos e se as veias não tiverem boa elasticidade elas podem romper ou ficar mais fracas, por isso, a qualidade de vida e a prática de exercícios físicos é importante para aumentar a saúde e a resistência do sistema circulatório. “No período do calor sempre há uma tendência à piora dos sintomas. É preciso prestar atenção aos cuidados com as varizes, mantendo a prática regular de atividade física e o uso das meias elásticas”, ensina o doutor Rafael B. Ávila.

  1. Varizes podem causar trombose

As varizes aumentam em cinco vezes o risco de trombose venosa, que é a formação de um coágulo nos vasos sanguíneos profundos.

Nos casos mais avançados da doença, quando a pessoa possui varizes de grosso calibre, formam-se lagos venosos que podem desenvolver a coagulação do sangue nos vasos, evoluindo para tromboflebites (inflamação e trombose do vaso).

  1. Viagens muito longas aumentam o risco de trombose venosa profunda

Permanecer muitas horas em uma mesma posição pode, sim, prejudicar a circulação sanguínea, logo, isso também se aplica às viagens longas. Diferentemente do trabalho, quando se pode levantar e esticar as penas, em trajetos longos, de ônibus ou avião, a tendência é ficar muito mais tempo parado. Isso torna mais difícil para o sangue voltar das pernas ao coração, o que pode causar a formação de coágulos sanguíneos.

O ideal é tentar movimentar as pernas com frequência, andando pelos corredores dos veículos, para estimular a circulação. Nesse caso, o uso de meias elásticas compressoras é essencial. “Em viagens prolongadas é importante fazer alongamento da panturrilha, levantar-se e caminhar um pouco, se possível a cada uma ou duas horas”, orienta o médico.

Devemos atentar quanto aos possíveis sintomas das varizes e lembrar que o tratamento não é um bicho de sete cabeças! Idealmente, deve-se procurar o especialista na área, o cirurgião vascular, e começar com a terapêutica adequada. Em alguns casos, pode ser necessária a realização da cirurgia para tratamento de varizes. Normalmente, o procedimento não é complexo e o paciente pode ser liberado no mesmo dia, com uma recuperação média entre duas e três semanas.

Se você tem varizes ou predisposição a elas fique atento e busque um especialista aos primeiros sinais.

O Hospital Presidente oferece Pronto Atendimento 24 horas, todos os dias da semana. É possível ainda fazer consultas em mais de 20 especialidades (inclusive a cirurgia vascular) e realizar exames com toda a comodidade, em um moderno e completo centro de diagnósticos, sem precisar sair do local.

Para agendar uma consulta, basta ligar para a Ariana, no telefone (11) 2261-6611, ramal 1085. Se preferir, pode enviar um e-mail para agendamento@hospitalpresidente.com.br.

 

Leia também:

Cirurgia vascular: muito além da vaidade

Mudança de hábitos pode ajudar a prevenir varizes

 

Palavras-chaves

– Varizes

– Trombose

– Cardiovascular

 

Referências

De Maeseneer, Marianne G., et al. “European Society for Vascular Surgery (ESVS) 2022 Clinical Practice Guidelines on the Management of Chronic Venous Disease of the Lower Limbs.” European Journal of Vascular and Endovascular Surgery (2022).

https://vesselvascular.com.br/mitos-e-verdades-sobre-varizes-para-sanar-todas-as-suas-duvidas/

http://www.sbacvrj.com.br/semanavascularIX/duvidas.html

https://www.hospitalunimedcpv.com.br/noticias/sa%C3%BAde-em-pauta/10-mitos-e-verdades-sobre-varizes

https://sbacv.org.br/imprensa/estimativas/#:~:text=A%20preval%C3%AAncia%20geral%20%C3%A9%20de,homens%20em%20rela%C3%A7%C3%A3o%20%C3%A0s%20mulheres.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *