fbpx

Meningite: a doença é séria e atinge de crianças a adultos. Mas pode ser prevenida.

 

A vacinação protege contra o tipo mais grave da meningite –  causada por bactéria – e é a forma mais eficaz de controle da doença, que registrou mais de 24 mil casos nos últimos 13 anos no Brasil.

 

A meningite é uma infecção de natureza viral, bacteriana, fúngica ou parasitária que atinge as meninges – nome dado às três membranas que revestem o encéfalo, a medula espinhal e outras partes do sistema nervoso. As formas viral e bacteriana são as mais comuns e, de maneira mais rara, a meningite pode ser provocada por algum fungo ou parasita, ou até mesmo pelo bacilo de Koch, a bactéria causadora da tuberculose.

Como a meningite é uma patologia grave, de evolução rápida, que pode causar sequelas irreversíveis e levar à óbito rapidamente, todos os casos, independente do agente causador, devem ser notificados às autoridades sanitárias para vigilância, prevenção e controle. Saiba mais sobre a meningite e como prevenir a doença neste texto.

Contra a meningite, todo cuidado é pouco!


Pelo potencial de causar surtos, endemias ou epidemias, a meningite é considerada um problema de saúde pública mundial, porque é uma grande causadora de morbimortalidade no mundo – um conceito complexo, que combina a presença de uma doença na população (morbilidade) com a taxa de mortalidade que ela gera. As crianças menores de cinco anos são as principais vítimas, porém, em momentos de surtos, é comum a manifestação também entre adolescentes e jovens adultos.

Sintomas

De um modo geral, em crianças menores de um ano, os sintomas são choro persistente, irritabilidade, recusa alimentar, inchaço na moleira e reflexos anormais.

Em adultos, a doença aparece na forma de febre alta de início súbito, dor de cabeça, rigidez no pescoço, mal-estar generalizado, náuseas, vômitos, confusão mental e manchas vermelhas pelo corpo.

Transmissão

A meningite é transmissível pelo contato com a pessoa infectada, independente de ser um caso perceptível ou assintomático. O contágio ocorre através das gotículas de saliva transmitidas por meio da fala, tosse, espirros ou beijos.

As meningites dos tipos viral e bacteriana são as formas mais preocupantes da doença, porque são mais contagiosas e se comportam de maneira sazonal, ou seja, estão vinculadas a uma estação do ano: a forma viral é mais comum no verão, enquanto que a modalidade bacteriana acontece com mais frequência no inverno.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é realizado por meio de avaliação clínica e pelo exame de líquor, que é o líquido que envolve o sistema nervoso, e serve para identificar o agente causador da doença.

Para a meningite viral, o tratamento é o mesmo que o de uma gripe ou resfriado. É recomendado repouso e o uso de medicamentos analgésicos e antitérmicos para combater os sintomas.

Para a meningite bacteriana é necessária a introdução de antibióticos o mais rápido possível, antes mesmo do resultado do exame laboratorial, porque a doença pode causar sequelas graves e irreversíveis e até levar à óbito.

No caso da meningite fúngica o tratamento é realizado com medicamentos antifúngicos e, no caso da meningite parasitária, são utilizados antibióticos.

Já, no caso da meningite tuberculosa, o tratamento é parecido com o da tuberculose, e exige a administração de antibióticos por uso prolongado.

 

Vacina contra meningite

A vacina contra meningite faz parte do Calendário Nacional de Vacinação, do Ministério da Saúde (MS), e protege contra as formas mais graves da doença. Verifique se a carteirinha de vacinação das crianças está atualizada e, se necessário, procure a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima:

  • Vacina BCG (Proteção contra Meningite tuberculosa)
    Para crianças recém-nascidas;
  • Vacina Pentavalente (Proteção contra Meningite por Haemophilus influenzae)
    Para crianças (1ª dose aos 2 meses; 2ª dose aos 4 meses; e 3ª dose aos 6 meses);
  • Vacina Pneumo 10 (Proteção contra Meningite por pneumococo)
    Para crianças (1ª dose aos 2 meses; 2ª dose aos 4 meses; e reforço entre 12 meses e 4 anos 11 meses e 29 dias);
  • Vacina Meningo C (Proteção contra Meningite tipo C)
    Para crianças (1ª dose aos 3 meses; 2ª dose aos 5 meses; e reforço entre 12 meses e 4 anos 11 meses e 29 dias);
    Para adolescentes entre 12 e 13 anos (1 dose);
  • Vacina ACWY (Proteção contra Meningite A, C, W e Y)
    Para adolescentes entre 11 e 12 anos (1 dose);

O Calendário Nacional de Vacinação pode ser acessado no site da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBim), que contém um conjunto de orientações para cada faixa etária, assim como as vacinas essenciais para cada público.

Caso você esteja com algum sintoma de meningite, o Hospital Presidente conta com um Pronto Atendimento (PA), que funciona 24h, todos os dias da semana. O Hospital Presidente conta também com uma equipe de especialistas capazes de auxiliar em todos os procedimentos, além de um completo e moderno centro de diagnósticos, para a realização de exames com maior conforto e comodidade do paciente.

Caso prefira agendar uma consulta, basta ligar para a Ariana, no telefone (11) 2261-6611, ramal 1085. Se preferir, pode enviar um e-mail para agendamento@hospitalpresidente.com.br.

 

Palavras-chave

Meningite

Meningite viral

Meningite bacteriana

Vacina contra meningite

 

Leia também

11 de Abril: Dia do Infectologista

Quando procurar o neurologista

24 de Março: Dia Mundial de Combate à Tuberculose

 

Referências

https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/meningite/

 https://bvsms.saude.gov.br/24-4-dia-mundial-da-meningite/

https://www.pfizer.com.br/sua-saude/vacinacao/meningite

https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/dia-mundial-da-meningite-ministerio-da-saude-reforca-importancia-da-vacinacao

https://www.saude.df.gov.br/vacina-meningococica-acwy-esta-disponivel-para-adolescentes-de-11-e-12-anos/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *