fbpx

Hospital Presidente adota o Protocolo de Manchester para aumentar a segurança do atendimento

 

A definição por meio das cores vermelha, laranja, amarela, verde e azul estabelece a prioridade de atendimento médico para cada situação.

 

O Protocolo de Manchester é um protocolo para classificação de risco nos atendimentos dos serviços de saúde. Ele foi criado em 1994, pelo médico Kevin Mackway Jones e passou a ser recomendado em todos os serviços de saúde do Reino Unido, quatro anos depois. Atualmente é utilizado em mais de 25 países.

A importância de sua adoção está na possibilidade que ele representa de classificar os pacientes que chegam ao hospital, priorizando os casos urgentes.

Ao chegar no Pronto Atendimento ou no Hospital, o paciente é encaminhado para a triagem clínica. Esta é realizada por um enfermeiro, que está apto a classificar a urgência do atendimento médico, dependendo do grau de risco da situação.

Após a classificação, o paciente recebe uma pulseira colorida, que classifica a necessidade de atendimento: emergencial (vermelha), muito urgente (laranja), urgente (amarelo), pouco urgente (verde) ou não urgente (azul).

A partir daí toda a equipe assistencial já sabe o tempo máximo que aquele paciente deverá ser atendido:

  • Emergencial – Necessário atendimento imediato (0 minutos)
  • Muito urgente – Necessário atendimento quase imediato (10 minutos)
  • Urgente – Necessário atendimento rápido, mas com espera (50 minutos)
  • Pouco urgente – Espera pelo atendimento (120 minutos)
  • Não urgente – Espera prolongada pelo atendimento (até 240 minutos)

Na triagem clínica, o profissional de enfermagem faz a medição dos sinais vitais e a coleta de informações sobre o estado geral de saúde do paciente. Dessa maneira, são necessários equipamentos e materiais médico-hospitalares como oxímetro (pequeno aparelho colocado na ponta do dedo do paciente, mede a saturação, isto é, a quantidade de oxigênio que circula no sangue), esfigmomanômetro (mede a pressão arterial), glicosímetro (mede a concentração de glicose no sangue), termômetro (mede a temperatura corporal). Todos os dados obtidos na triagem clínica são inseridos no sistema do Hospital para posterior acesso pela equipe médica, durante a anamnese (relato do paciente sobre a sua condição) realizada na consulta médica.

Quais são os casos mais frequentes em cada cor?

Embora para o paciente o seu caso é sempre o mais frequente, o Protocolo de Manchester classifica algumas situações mais comuns em cada classificação de risco. Veja:

Cor vermelha: emergencial – risco de morte, necessidade de atendimento imediato

  • Crises de convulsão
  • Paradas cardiorrespiratórias
  • Hemorragias sem controle
  • Dor no peito com falta de ar
  • Queimadura em mais de 25% do corpo
  • Tentativa de suicídio, entre outros semelhantes.

Cor laranja: muito urgente – risco urgente, mas em um nível menos elevado que a cor vermelha

  • Dores muito severas
  • Cefaleia de rápida progressão
  • Arritmia sem sinais de instabilidade
  • Entre outras situações de igual gravidade.

Cor amarela: urgente – existem riscos para o paciente, mas eles não são imediatos

  • Vômitos intensos
  • Desmaios
  • Crises de pânico
  • Dores ou hemorragias moderadas
  • Irregularidades nos sinais vitais
  • Casos de hipertensão, e assim por diante.

Cor verde: pouco urgente – casos menos graves, sem potencial risco de vida para o paciente

  • Quadros gerais de febres
  • Dores leves
  • Viroses
  • Tonturas
  • Resfriados
  • Náuseas
  • Hemorragia sob controle, entre outros.

Capacitação do Protocolo de Manchester

No Brasil, o Grupo Brasileiro de Classificação de Risco (GBCR) é o órgão responsável pela capacitação de médicos e profissionais de enfermagem como classificadores de risco pelo Protocolo de Manchester.

Para garantir a excelência na execução do Protocolo de Manchester nos serviços de saúde, o GBCR realiza auditorias periódicas, verificando se todas as normas e diretrizes estão sendo realizadas de maneira correta. Além disso, é exigido também uma auditoria interna, que é realizada por um médico e um enfermeiro do próprio serviço de saúde.

O Protocolo de Manchester é uma garantia de um processo reconhecido internacionalmente no atendimento do paciente, assegurando que os casos sejam direcionados e resolvidos de acordo com a sua gravidade.

Se você tiver algum desconforto ou precisar de atendimento médico, o Hospital Presidente oferece essa garantia a mais, tanto em seu Pronto Atendimento (PA), que funciona 24h por dia e 7 dias por semana, como nas consultas ambulatoriais.

O Hospital Presidente conta com uma equipe de médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem capazes de auxiliar em todos os procedimentos, além de um completo e moderno centro de exames, para proporcionar conforto e comodidade aos pacientes, sem sair do lugar.

Caso prefira agendar uma consulta, basta ligar para Ariana, no telefone (11) 2261-6611, ramal 1085. Se preferir, envie um e-mail para agendamento@hospitalpresidente.com.br

 

Palavras-chave

Protocolo de Manchester

Classificação de risco

Serviços de saúde

 

Leia também

https://www.hospitalpresidente.com.br/2020/04/02/pronto-atendimento-socorro-imediato-para-salvar-vidas/

https://www.hospitalpresidente.com.br/2020/10/08/acidentes-domesticos-com-criancas/

https://www.hospitalpresidente.com.br/2021/02/04/acidente-de-trabalho-o-socorro-nao-pode-esperar/

 

Referências

https://www.saude.mg.gov.br/ajuda/story/6635-protocolo-de-manchester-garante-atendimento-em-tempo-adequado-aos-pacientes

https://telemedicinamorsch.com.br/blog/protocolo-de-manchester

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *