Câncer Pediátrico: Cuidados Paliativos e Desafios na Oncologia Infantil

Compartilhar:

No Brasil, o câncer infantil é considerado um problema de saúde pública. Embora seja uma doença rara em comparação ao câncer em adultos, é a principal causa de morte por doença em crianças e adolescentes de 1 a 17 anos no país.

 

O câncer é uma doença complexa que afeta pessoas de todas as idades. No entanto, o câncer pediátrico apresenta características distintas que exigem abordagens específicas no diagnóstico, tratamento e cuidados paliativos. Considerado uma neoplasia rara e com etiologia pouco conhecida, o câncer pediátrico é a principal causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 0 a 17 anos (INCA, 2019). Compreender e enfrentar os desafios associados a essa condição é fundamental para melhorar a qualidade de vida dos pacientes e de suas famílias.

Diferentemente dos cânceres diagnosticados em adultos, o câncer pediátrico se desenvolve de forma agressiva e rápida, mas, felizmente, responde bem ao tratamento. Quando diagnosticado precocemente e tratado de maneira adequada, as chances de cura chegam a 80% segundo o Instituto Desiderata.org, 2019. No entanto, a falta de conhecimento sobre as causas específicas desse tipo de câncer dificulta medidas preventivas eficazes.

Caminhos para o tratamento 

O tratamento do câncer pediátrico envolve diversas etapas, desde a detecção precoce até a estratégia de paliação. Os cuidados paliativos são fundamentais para melhorar a qualidade de vida dos pacientes que não têm a cura como possibilidade terapêutica. Os princípios dos cuidados paliativos, definidos pela Organização Mundial da Saúde, buscam promover o alívio da dor, afirmar a vida, abordar aspectos psicossociais e espirituais, oferecer suporte à família e melhorar a qualidade de vida do paciente (Carvalho & Parsons, 2012).

No contexto do câncer pediátrico, é essencial uma abordagem multiprofissional e interdisciplinar para oferecer um cuidado integral. A equipe de saúde desempenha um papel fundamental em todas as etapas do processo, desde o diagnóstico até o pós-óbito, proporcionando apoio emocional, tratamento médico e suporte psicossocial. O fortalecimento do vínculo entre pacientes, familiares e profissionais de saúde é crucial para o enfrentamento da doença (Alves, 2012; Oliveira, Maranhão & Barroso, 2017).

Os cuidados paliativos podem ser aplicados em todas as fases da vida, incluindo a infância e adolescência. No entanto, pesquisas e estudos sobre cuidados paliativos pediátricos são relativamente recentes no Brasil, e ainda existem dificuldades e tabus que cercam essa abordagem tanto por parte dos pacientes e familiares quanto pelos profissionais de saúde. É essencial que essas dificuldades sejam abordadas e superadas para proporcionar o melhor cuidado possível.

O câncer infantil no Brasil

O câncer infantojuvenil é uma realidade preocupante no Brasil. De acordo com dados recentes, são esperados cerca de 4.310 casos novos entre os meninos e 4.150 entre as meninas a cada ano do triênio 2021-2023. Esses números alarmantes colocam o câncer infantojuvenil como líder no ranking de causas de morte por doença em crianças e adolescentes, com um total de 2.554 óbitos registrados. Dessa triste estatística, 1.423 mortes ocorreram entre os meninos e 1.131 entre as meninas.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), estima-se que ocorram cerca de 12.500 novos casos de câncer em crianças e adolescentes por ano no Brasil. Isso representa aproximadamente 3% de todos os casos de câncer diagnosticados no país. Os tipos de câncer mais comuns na infância são as leucemias, tumores do sistema nervoso central e linfomas.

A detecção, o acesso a tratamentos especializados e o apoio integral às crianças, aos adolescentes e às suas famílias são fundamentais para aumentar as chances de cura e melhorar a qualidade de vida durante o processo de enfrentamento da doença.

A participação do Hospital Presidente na promoção a saúde e combate ao câncer infantil

No ano de 2023, o Hospital Presidente deu início aos trabalhos com a especialidade de Oncologia pediátrica clínica e cirúrgica para o tratamento de patologias como:

  • Leucemia (sistema sanguíneo)
  • Tumor cerebral (sistema nervoso central)
  • Linfoma (sistema linfático)
  • Tumor de Wilms (um tipo de tumor renal)
  • Retinoblastoma (retina)
  • Tumor germinativo (células que dão origem aos ovários e testículos)
  • Osteossarcoma (ossos)
  • Sarcoma (partes moles)

O hospital conta com uma infraestrutura moderna e equipamentos de última geração, que permitem a realização de exames, procedimentos precisos e eficazes. Toda essa estrutura é oferecida ainda com base na pediatria do Presidente Kids, que foi elaborada e estruturada com foco no atendimento e tratamento pediátrico. 

A equipe multidisciplinar da Oncologia Pediátrica do Hospital Presidente, trabalha em estreita colaboração, garantindo uma abordagem integrada e coordenada. Contamos com os médicos, equipe de enfermeiros especializados, psicólogo, assistente social, fisioterapeuta, nutricionista e outros profissionais, que estão disponíveis para fornecer o suporte necessário durante todo o processo de tratamento.

É fundamental promover ações de conscientização e educação sobre o câncer infantojuvenil, para que a sociedade como um todo possa reconhecer os sinais precoces da doença e buscar ajuda o mais rápido possível. A informação é uma função poderosa na luta contra o câncer, e cada pessoa pode desempenhar um papel importante ao disseminar conhecimento e apoiar as crianças e os adolescentes em sua batalha contra essa doença.

Se você precisar de atendimento de pediatria, ou sanar dúvidas sobre o setor de oncologia pediátrica do Hospital Presidente, agende uma consulta no Hospital Presidente. Ligue no número de telefone (11) 2261-6611, ramal 1085, ou envie um e-mail para agendamento@hospitalpresidente.com.br

Saiba mais:

INCA – Instituto Nacional do Câncer: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-infantojuvenil

Instituto Desiderata: https://desiderata.org.br/panorama-da-oncologia-pediatrica-no-brasil/

Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582019000300008

Ministério da Saúde: https://bvsms.saude.gov.br/23-11-dia-nacional-de-combate-ao-cancer-infantil-3/#:~:text=No%20Brasil%2C%20s%C3%A3o%20esperados%204.310,o%20sexo%20masculino%20e%201.131

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

17 − quinze =